Bem Vindo a este Blog Católico Mariano e Pró-Vida!!!

Bem Vindo a este Blog Católico Mariano e Pró-Vida!!!







A Vida Humana Começa com a Concepção, por isso o aborto É Crime e como tal deve ser tratado!!!







Quem Ama Não Mata!!!







Salve Maria!!!































Coração Imaculado de Maria Livrai o Brasil da Maldição do Aborto!!!
































Catolicismo e Defesa da Vida Nascitura!!!

Catolicismo e Defesa da Vida Nascitura!!!
Nossa Senhora, Nascituro, Papas e Nosso Senhor JESUS CRISTO

Pesquisar este blog

domingo, 1 de outubro de 2017

Envelhecer Sem Perder o Valor!!!

Envelhecer Sem Perder o Valor!!!




     Caros Irmãos e Irmãs:-

   Neste dia, 1º de Outubro, Dia Internacional do Idoso, transcrevo um artigo do Arcebispo de Maringá, Paraná, D. Anuar Battisti, publicado no site da Comunidade Católica Mar a Dentro, em 29/10/2013, e no jornal Povo de DEUS no Meio do Povo, informativo da Comunidade Católica Âmi, de Novembro de 2013, página N.º 07!!! Este artigo trata sobre o envelhecimento e a aceitação do mesmo!!!

Alexandre Luiz Antonio da Luz
Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria
Movimento Pró-Vida da Arquidiocese de Curitiba


Envelhecer sem perder o valor

29/10/2013



   Diante da condição do envelhecimento humano acompanha o medo de ser inútil, de se tornar um peso, de viver abandonado, na solidão das ausências daqueles que amamos. Nada mais decepcionante do que chegar ao fim e ter a sensação de que não valeu a pena ter vivido. A vida é um jogo de amor e dor.
   Ninguém vive sem amar. Amando fazemos da vida uma constante superação do humano, inclusive da dor, que amada e assumida como própria, se transforma em amor. Como se preparar para viver a complicada sensação de inutilidade? Não existe receita pronta e sim caminhos que durante o passar dos anos vamos aprendendo a percorrer. Nesta escola da vida nem sempre estamos preparados para aprender as lições que a inutilidade nos prepara.
   É difícil aceitar o delicado tempo da inutilidade. É preciso viver com dignidade esse terreno perigoso, mas necessário de sentir-se inútil. Uma graça a pedir a Deus é que, quando chegar a velhice e perdermos a utilidade, que tenhamos alguém ao nosso lado que nos ame de verdade.
   Só será capaz de amar aquele que depois da inutilidade descobrir o valor da velhice. Nunca seremos valorizados pelo que fazemos e sim pelos que somos. Ninguém, mesmo que tenha construído os mais belos edifícios, escrito as mais belas obras literárias, ter deixado o acervo cultural mais importante, vai ser amado pelo que fez e sim por aquilo que é. O valor não se conquista, ele existe, e por ele vale a pena viver.
   Quanto tempo perdido atrás de coisas, de superficialidades, de aparências e máscaras acobertando o que de mais belo possuímos: a capacidade de amar, mesmo na inutilidade da vida. “A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca” (Carlos Drumond de Andrade).
   De que adianta ganhar o mundo, quando perdemos a eternidade. O eterno só existirá se formos abertos em acolher no difícil terreno da vida, o valor e não utilidade. Será digno da eternidade aquele que for capaz de dizer: “Você não serve para nada, mas eu não sei viver sem você” (Padre Fábio de Melo).
   O Mestre Jesus em tom de despedida entrega uma nova lei, resumo de todas as leis: “Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros. Assim como eu amei a vocês, vocês devem amar uns aos outros. Se vocês tiverem amor uns para com os outros, todos reconhecerão que vocês são meus discípulos” (Jo 13,34-35).
   Queira Deus de que ao chegar ao fim, sem ser útil e completamente alheio do momento presente, tenha alguém que seja capaz de nos olhar e dizer: Eu te amo, conte comigo, não sei viver sem você. Envelhecer sim, mas nunca perder o valor.


Por Dom Anuar Battisti - Arcebispo de Maringá (PR)


http://maradentro.com.br/envelhecer-sem-perder-o-valor.html

A Origem da Devoção ao Santo Rosário e o Mandato Missionário!!! (para o mês de Outubro)

A Origem da Devoção ao Santo Rosário e o Mandato Missionário!!!




     Caros Irmãos e Irmãs:-

   O mês de Outubro é o mês do Rosário e das Missões!!! Mês do Rosário porque no dia 7 de Outubro celebramos a Festa de Nossa Senhora do Rosário!!! Nesta data em 1571 a frota da Liga Santa (numericamente inferior) derrotou em Lepanto (Mar Jônico) a poderosa esquadra do Império Otomano, que pretendia dominar a Europa!!! Esta batalha não foi vencida só com as armas, mas principalmente com a oração!!! Enquanto se desenrolava a sangrenta batalha nas águas do Mar Jônico, em Roma o Papa São Pio V e todos os católicos na Europa rezavam o Rosário!!! E foi o Rosário que alcançou a vitória dos cristãos sobre os turcos-otamanos!!! Mês das missões por Santa Terezinha do Menino Jesus, cujo dia é 1º de Outubro e que é a padroeira das Missões!!! Além do mais, neste mês de Outubro, mais precisamente no dia 12, comemoramos os 300 anos da pesca da imagem de Nossa Senhora Aparecida e no dia seguinte, 13 de Outubro, comemoramos os 100 anos da última aparição de Nossa Senhora em Fátima!!! Por isso, este mês de Outubro é muito especial!!!
   Abaixo segue uma meditação sobre o Rosário e as Missões!!!

Alexandre Luiz Antonio da Luz
Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria
Movimento Pró-Vida da Arquidiocese de Curitiba




A Origem da Devoção ao Santo Rosário e o Mandato Missionário!!!

   A origem da devoção ao Santo Rosário, comemorado no dia 7 de Outubro (como já vimos acima) e durante todo este mês, teve início no Século XIII, no sul da França, quando foi revelada por Nossa Senhora a São Domingos de Gusmão (fundador da Ordem dos Pregadores ou Dominicanos). Este santo, já há muito tento se esforçava pela conversão dos hereges Albigenses e apesar de sua eloqüência e santidade, poucos se convertiam. Então ele se dirigiu, em oração, à Nossa Senhora, pedindo a Ela que lhe indicasse o melhor meio de se conseguir a conversão destes pecadores. Nossa Senhora apareceu-lhe então e lhe disse:- “Meu filho Domingos aprenda isso: o meio empregado pela Santíssima Trindade para reformar o mundo foi a Saudação Angélica. Portanto, se quiseres converter esses corações empedernidos, pregue segundo o modo que vou lhe ensinar”. Assim a Virgem Maria ensinou a São Domingos a oração do Rosário e ele, através do Rosário, conseguiu converter, em pouco tempo, milhares de hereges. Desde então, o Rosário foi sempre o meio mais eficaz de combater as heresias, de converter os pecadores e de alcançar as graças mais preciosas e importantes.
   Uma prova de quanto o Rosário é do agrado de Nossa Senhora são as promessas de graças e favores que fez a São Domingos e, por meio dele, a todos os devotos. Irmã Lúcia, uma das videntes de Fátima, acrescenta:- “Não há problema material ou espiritual, individual ou coletivo, nacional ou internacional, pessoal ou familiar, que a reza do Rosário ou do Terço não possa resolver!” Desde Sua aparição a São Domingos, Nossa Senhora, em todas as Suas aparições, insistentemente pede para que rezemos no mínimo o Terço todos os dias para a conversão dos pecadores, pelas famílias e pela paz no mundo!



   Outubro também é o Mês Missionário. Todos nós cristãos, sacerdotes, religiosos ou leigos, pelo Sacramento do Batismo, recebemos o “mandato divino” de sermos missionários, levando a Boa Nova do Evangelho a todos os povos e nações. O Papa Francisco I, em seu apelo pela “Igreja em Saída”, está convocando todo o magistério eclesial e os leigos a serem missionários em suas comunidades. Podemos e devemos ser missionários, mesmo “sem sair de casa”, na medida em que oramos, em que praticamos obras de misericórdia materiais e espirituais e em que oferecemos sacrifícios e mortificações, diante de nossas adversidades, pelos missionários atuantes em nosso país e no mundo. Santa Teresinha do Menino Jesus é a padroeira das missões, sem jamais ter saído do convento, através de suas orações e sacrifícios pelos missionários. Sejamos, pois, missionários, segundo os nossos dons e carismas, aonde quer que atuemos, seja na vida familiar, profissional e de apostolado. Rezemos, mais do que nunca, neste mês de Outubro, o Rosário (ou o Terço) pelos missionários!!!
   Salve Maria!!!




   Ainda sobre o a história do Rosário, cliquem aqui



quarta-feira, 27 de setembro de 2017

São Cosme e São Damião!!!

São Cosme e São Damião!!!



     Caros Irmãos e Irmãs:-

   Dia 26 de Setembro, celebramos São Cosme e São Damião, santos mártires do início do Cristianismo!!! Abaixo segue a biografia desses dois santos e a oração a São Cosme e São Damião!!!




A História de São Cosme e São Damião!!!

   São Cosme e São Damião eram irmãos gêmeos e nasceram na cidade de Egeia, na Arábia. Eles eram os últimos de um grupo de cinco irmãos. Chamavam-se eles, pela respectiva ordem de idade:- Antino, Leôncio, Euprépio, Cosme e Damião. Sua mãe ficou viúva depois do nascimento dos gêmeos e teve de prover, sozinha, com o sustento e a educação dos filhos. Ela se chamava Teodora e, conta a tradição, ter sido uma mulher de grandes virtudes. Educou todos os filhos na fé cristã, ensinando-os e incutindo neles um profundo amor a Nosso Senhor JESUS CRISTO. São Cosme e São Damião estudaram e formaram-se em medicina na Síria.



   Conta-se que enquanto estudavam medicina na Síria, o Divino ESPÍRITO SANTO apareceu-lhes em forma de pomba e lhes disse:- “Não vos assusteis. SOU o ESPÍRITO SANTO e venho conceder-vos o dom de curar todas as doenças dos homens e dos animais. Deveis usar esta graça apenas para o Bem e sem pedir nada pelo seu trabalho”. E, desde esta hora, foi-lhes definida a trajetória, que os dois tinham de obedecer. Então, de todos os cantos, começaram a aparecerem doentes procurando-os e eles eram curados.



   Eles eram de índole simples e puros de coração. Começaram então os Santos gêmeos a circularem entre os pagãos para evangelizá-los e eram bem sucedidos. Tão grande e generoso foi o seu desinteresse material que lhes deram a cognominação de “anargyros”, ou seja, “inimigos do dinheiro”, na designação grega. Sua fama de médicos e virtuosos se espalhou por todo o país.
   Certa vez, uma dama da alta classe, chamada Paládia, foi procurá-los, dizendo-lhes que havia em vão gastado toda a sua fortuna com os médicos e pediu-lhes a cura de sua enfermidade, então São Cosme e São Damião invocaram o Nome de Nosso Senhor JESUS CRISTO e Paládia ficou curada no mesmo instante. Ela então insistiu junto aos Santos gêmeos que aceitassem um donativo em dinheiro como recompensa pela sua cura, mas os dois irmãos recusaram terminantemente, dizendo-lhe que a recompensa deles seria dada na Vida Eterna. Paládia não se conformou com a recusa e insistiu com Damião, dizendo-lhe:- “Vós recusais o meu presente, porque ele é pobre? Não terei sossego enquanto não o aceitarem!” Ao que Damião responde:- “Neste caso, aceitá-lo-ei apenas para tranqüilizar o vosso coração”. Mas, assim que Cosme ficou sabendo do ocorrido, disse a Damião:- “Meu irmão, grande erro cometeste! Não permitirei, por causa do teu pecado, que os teus restos mortais sejam enterrados juntos aos meus!” A noite, entretanto, Nosso Senhor JESUS CRISTO aparece a Cosme e lhe diz:- “Cosme ouve-Me! Damião não tem culpa! Ele aceitou a dádiva só por caridade!”



   Em Roma, Diocleciano e Maximiano tinham resolvido perseguir os cristãos até a sua exterminação total. E Lísias, nomeado Procônsul do Império Romano em Egeia, Cilícia e Ásia Menor, obstinou-se de igual modo na política de perseguição aos que teimavam em professar a religião de Nosso Senhor JESUS CRISTO. São Cosme e São Damião vêem-se acusados de seduzir o povo, afastando-o dos templos pagãos. Levados à prisão, são flagelados. No meio dos seus sofrimentos, eles bendizem e oram ao Senhor, como resposta aos que os supliciam. Confessam não serem afetados pelas torturas inauditas. São furados por pregos nas mãos e nos pés e não sentem dor alguma. Foram acorrentados nas mãos e nos pés e arremessados do alto de rochedos, para morrerem afogados no mar, mas os Anjos do Céu vieram em seu socorro e os salvaram, levando-os à praia totalmente enxutos. Soltos dos grilhões, foram levados à presença do Procônsul Lísias, o qual ver os milagres ocorridos, pensou que os dois Santos gêmeos eram feiticeiros e propôs-lhes que eles lhe ensinassem seus feitiços e então eles se tornariam os homens mais ricos do mundo, mas os dois irmãos lhe disseram que os milagres ocorridos eram obras de DEUS e que só a fé em Nosso Senhor JESUS CRISTO era capaz de realizar tais prodígios. Tomado de grande fúria pela resposta de São Cosme e São Damião, Lísias quis lançar-se sobre eles, mas dois demônios apareceram e se apossaram do procônsul, tentando arrasta-lo para o inferno. Lísias então clamou piedade aos Santos gêmeos, pedindo que intercedessem por ele a Nosso Senhor JESUS CRISTO. Os dois irmãos pediram então piedade a DEUS para o algoz deles. E tal como vieram os demônios, tal eles se foram, mas o orgulhoso Lísias não se conformou com a derrota, achando que aquilo lhe havia ocorrido, pois pensou em renegar os seus deuses. Por ordem do procônsul, foram lançados a uma fogueira, da qual saem ilesos, enquanto as chamas se voltam contra os seus algozes. Extinto o fogo, todos viram que os Santos gêmeos, alem de nada sofrerem, estavam transfigurados e oravam e louvavam ao Senhor. Cheio de ódio, Lísias chama o comandante da guarda e lhe ordena que amarre os dois irmãos nas caudas de cavalos e os arrastem por toda a cidade afim de que ambos fossem esfolados, mas mais uma vez nada lhes ocorre e eles se sentem como estivessem sendo levados por anjos entre nuvens. Outra vez o procônsul Lísias, furioso como nunca, manda que os dois fossem crucificados e em seguida apedrejados, mas, repetindo o ocorrido quando eles foram lançados às chamas, as pedras retornam contra aqueles que as lançaram, ferindo-os, mas a loucura de Lísias não para e ele ordena que arqueiros atirem flechas contra os Santos gêmeos e mais uma vez o milagre se repete e as flechas voltam-se contra os arqueiros, matando-os todos. Então, Lísias, ainda mais furioso com a invulnerabilidade dos Santos gêmeos, até ali incólumes, e que cada vez mais confirmavam sua santidade e com isso provocavam a conversão daqueles que assistiam ao seu martírio, Lísias mandam prender os outros três irmãos de São Cosme e São Damião e ordena que os cinco irmãos fossem decapitados ao romper do dia e assim ocorreu. Logo após a execução dos cinco irmãos houve um terremoto seguido de uma chuva de sangue. Durante todo aquele dia a terra se conservou escura e tenebrosa; todos fugiram amedrontados; entretanto os cristão que viviam escondidos saíram de seus esconderijos e foram ao local do suplício dos Santos Mártires, apanharam seus corpos e os levaram para o campo para sepulta-los. Um desses cristãos estava presente quando São Cosme disse que não queria ser sepultado com São Damião e resolveu sepultar São Damião longe dos seus irmãos, quando ocorreu um milagre, um dos camelos, usado no transporte dos corpos, falou e disse que os cinco irmãos deviam ser enterrados juntos e que São Damião havia aceitado a dádiva da mulher apenas por caridade. Então os cinco irmãos foram enterrados juntos.



   São Cosme e São Damião são, talvez, no hagiológio católico, os santos de invocação popular mais disseminada e viva. Sua veneração data dos primórdios da Igreja. E quando São Felix (Papa Felix IV), entre os anos de 526 e 530, resolveu transladar para Roma as relíquias dos santos mártires, atendeu conscientemente ao reclamo do sentimento cristão imperante àquela época. São Felix ordenou que para a digna instalação das relíquias dos Santos gêmeos mártires, que se construísse uma igreja cujos padroeiros seriam os dois irmãos taumaturgos.


Igreja de São Cosme e São Damião - Igreja Matriz da cidade de Iguaraçu - Pernambuco

   No Brasil a veneração de São Cosme e São Damião tem, pode-se dizer a idade da colonização de nossa terra. Afirma isso a generalização desse culto por todos os pontos do nosso país e a antiguidade dos feitos miraculosos atribuídos aos Santos gêmeos em varias épocas da nossa história. Entre esses se assinalam as batalhas havidas contra os terríveis caetés que se opunham à penetração e estabelecimento da civilização conseqüente à descoberta do Brasil. Conta-se que numa das lutas de Duarte Coelho contra os caetés, os portugueses estavam ameaçados de serem dizimados, quando surgiu no céu, entre as nuvens, a figura iluminada dos Santos gêmeos ao lado dos portugueses. Era precisamente o dia de São Cosme e São Damião (26/09) e os portugueses venceram a batalha. Em memória do triunfo obtido, Duarte Coelho mandou edificar uma Igreja em honra aos Santos gêmeos, que hoje é a Matriz da cidade de Iguaraçu, em Pernambuco. Outro milagre de São Cosme e São Damião ocorreu durante a invasão holandesa em Pernambuco. Em 14 de Fevereiro de 1630, a frota holandesa chegava a Pernambuco, com 70 embarcações, 1160 canhões e 7000 homens. Com tal poderio logo os holandeses conquistaram Recife e Olinda e consequentemente saquearam e destruíram as igrejas dessas cidades. A falta de reforços de Portugal e a chegada de auxílio aos holandeses fizeram com que a luta se estendesse para o interior do Estado de Pernambuco. A traição de Calabar muito auxiliou os holandeses que, por ele guiados, atacaram o Forte do Rio Formoso e, em Maio de 1632, a Vila de Iguaraçu. Nesta última, porém, deu-se um fato, justamente na Igreja de São Cosme e São Damião, perpetuado em um velho quadro ainda hoje ali existente. Ao tentarem saquear a Matriz de Iguaraçu, caiu sobre os holandeses uma chuva de fogo, vinda do Alto, pondo em debandada os invasores, que retornaram ao Forte do Rio Formoso e nunca mais voltaram a Iguaraçu. O milagre dos Santos gêmeos, padroeiros da Vila de Iguaraçu, entrou para a História do Brasil e consagrou para sempre a sua devoção na alma católica do povo brasileiro!!!


Igreja de São Cosme e São Damião - Igreja Matriz da cidade de Iguaraçu - Pernambuco


Orações a São Cosme e São Damião:-

1ª) São Cosme e São Damião que por amor a DEUS e ao próximo Vos dedicastes à cura do corpo e da alma de Vossos semelhantes, abençoai os médicos e farmacêuticos, medicai meu corpo na doença e fortalecei a minha alma contra toda superstição e todas as práticas do mal. Que Vossa inocência e simplicidade acompanhem todas as nossas crianças. Que a alegria da consciência tranqüila, que sempre Vos acompanhou, repouse também em meu coração. Que a Vossa proteção, São Cosme e São Damião, conserve meu coração simples e sincero para que sirvam também para mim as palavras de Nosso Senhor JESUS CRISTO:- “Deixai vir a mim os pequeninos, pois deles é o Reino do Céu”.
   São Cosme e São Damião, rogai por nós!!! Amém!!!

1 PAI Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao PAI


Igreja de São Cosme e São Damião - Igreja Matriz da cidade de Iguaraçu - Pernambuco

2ª) Ó JESUS, pela intercessão de São Cosme e São Damião, conserve o meu coração simples e sincero. Que o sangue destes Mártires, servos da SANTÍSSIMA TRINDADE, lave os meus pecados e purifique todo o meu ser. Ajudai-me a crescer em solidariedade, compaixão e misericórdia, para com o meu próximo mais próximo, a exemplo de São Cosme e São Damião, missionários e defensores da vida em plenitude. VOS que sois DEUS, na unidade do ESPÍRITO SANTO. Amém!!!





Interior da Igreja de São Cosme e São Damião - Igreja Matriz da cidade de Iguaraçu - Pernambuco



Interior da Igreja de São Cosme e São Damião - Igreja Matriz da cidade de Iguaraçu - Pernambuco


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Setembro - Mês da Bíblia – Cartas Paulinas!!!

Setembro - Mês da Bíblia – Cartas Paulinas!!!



     Caros Irmãos e Irmãs:-

   Chegou-me as mãos uma apostila com um estudo sobre as Cartas Paulinas, que abaixo transcrevo para vocês!!! Creio que seja uma excelente oportunidade para aprendermos mais sobre as Cartas de São Paulo Apóstolo durante este mês de Setembro, que é o Mês da Bíblia!!!

Alexandre Luiz Antonio da Luz
Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria
Movimento Pró-Vida da Arquidiocese de Curitiba



Cartas Paulinas:-




Introdução às Cartas de São Paulo Apóstolo:-

   O conjunto das Cartas Paulinas compreende um total de treze cartas que reivindicam a paternidade de São Paulo Apóstolo. A ordem em que se encontram no cânon bíblico não reflete a data em que foram escritas, mas foram organizadas segundo a sua extensão.
   Alguns procuram agrupa-las do seguinte modo:-

1º) Cartas Maiores:- Romanos, 1 e 2 Coríntios, Hebreus, Gálatas e 1 e 2 Tessalonicenses.

2º) Cartas da Prisão:- Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemon.

3º) Cartas Pastorais:- 1 e 2 Timóteo e Tito.

   Outra classificação pode ser feita a partir da possível autoria das mesmas:-

1º) Cartas Proto-Paulinas:- São aquelas que seguramente são autênticas, isto é, que certamente são de autoria do Apóstolo São Paulo, e que são aceitas por todos os estudiosos:- Romanos, 1 e 2 Coríntios, Gálatas, Filipenses, 1 Tessalonicenses e Filemon.

2º) Cartas Deutero-Paulinas:- São aquelas cuja autenticidade não é segura ou é negada por certo número de estudiosos:- Efésios, Colossenses e 2 Tessalonicenses.

3º) Cartas Trito-Paulinas:- São aquelas que dificilmente seriam de São Paulo Apóstolo, pois usam uma linguagem diversa e tratam de problemas que existiam nas comunidades no final do Século I. São elas:- 1 e 2 Timóteo, Tito e Hebreus.

   É certo que algumas Cartas Paulinas foram perdidas. Em 1 Coríntios 5,9 já se fala de uma Primeira Cartas aos Coríntios. Em Colossenses 4,16, São Paulo se refere a uma carta escrita aos cristãos de Laodicéia. E temos ainda a famosa “Carta em Lágrimas” aos Coríntios (2 Coríntios 2,4). Alguns estudiosos afirmam também  que a Carta aos Filipenses é um conjunto de vários bilhetes. E também que a 2 Coríntios é um ajuntamento de várias cartas, enviadas em datas diferentes.
   Outro aspecto interessante é o de que as cartas não foram escritas de próprio punho pelo Apóstolo. Ele as ditava (confiram Romanos 16,22) a às vezes as assinava (confiram Gálatas 6,11). Talvez a Carta a Filemon tenha sido o único escrito feito pela sua própria mão.
   Uma constante nas Cartas de São Paulo Apóstolo é a afirmação que Ele faz da sua própria vocação. Por várias vezes lembra que seu ser Apóstolo de JESUS CRISTO é sinal primordial da intervenção Divina na sua vida. À missão de evangelizar os gentios Ele se dedica por inteiro e busca formas novas, através das cartas, de se fazer presente junto às comunidades fundadas por Ele como missionário itinerante. Escrever era a forma de manter viva a fé das comunidades, porque São Paulo não podia estar em todas elas ao mesmo tempo. Isso tudo para que o Evangelho seja anunciado.
   O núcleo da mensagem de São Paulo Apóstolo em todas as suas cartas é o Kerigma Cristão, ou seja, o anúncio da paixão, morte e ressurreição de Nosso Senhor JESUS CRISTO. Toda a teologia paulina é gerada a partir do evento da Cruz, sinal de escândalo, portanto, de fraqueza, transformado em princípio de salvação e ressurreição. Portanto, para compreender São Paulo Apóstolo é importantíssimo considerarmos a Crucificação de Nosso Senhor JESUS CRISTO, Sua Paixão, Morte e Ressurreição.
   São Paulo Apóstolo é um escritor que anuncia o Evangelho, ou melhor, é um missionário que escreve. Ele é poeta e culto, mas, para fazer-se compreender, usa palavras simples e profundas. Todas as suas cartas são portanto, como que geradas do seu coração. E assim São Paulo Apóstolo deixa transparecer em cada palavra que escreve sua paixão por Nosso Senhor JESUS CRISTO e pelo Seu Povo (a Igreja).    

Breve Comentário das Cartas Paulinas:-

1º) Cartas Proto-Paulinas:-




a) Romanos:-

   Quando São Paulo esteve em Roma?
   Provavelmente entre o ano 61 e 62, prisioneiro e deportado para o tribunal do imperador, onde foi martirizado por volta do ano 67.



   Onde foi escrita a Carta aos Romanos?
   Em Corinto (inverno de 55/56).




   Como era a comunidade?
   Formada por cristãos vindos da Palestina e da Síria, provavelmente expulsos pelo imperador Cláudio, no ano 49.



   Qual a finalidade da Carta?
   Corrigir certas interpretações a respeito da pregação de São Paulo entre os pagãos, provavelmente levadas à Roma por judeus e por cristãos judaizantes. O Apóstolo expõe de maneira serena e organizada o que já havia exposto na Carta aos Gálatas, ou seja, a gratuidade da salvação que vem pela fé. Ele opõe o CRISTO Justiça de DEUS ao CRISTO da justiça que os homens pretendiam merecer por seus próprios esforços. São Paulo diz que a morte e ressurreição de JESUS operaram a destruição da humanidade antiga, viciada pelo pecado de Adão e a recriação de uma humanidade nova, da qual Nosso Senhor JESUS CRISTO é o protótipo.



b) 1 Coríntios:-

   Quando São Paulo esteve em Corinto?
   São Paulo chega à Corinto em Abril do ano 50, após ter passado por Atenas e lá volta outras vezes.

   Onde foi escrita a Primeira Carta aos Coríntios?
   Provavelmente na Páscoa de 54, em Éfeso ou na Macedônia.



   Como era a comunidade?
   Corinto era uma cidade portuária e grande centro comercial, com população pluralista e composta por cidadãos romanos e escravos. Tinha tendências e religiões romanas, egípcias e gregas. A comunidade foi fundada na casa de Priscila e Áquila, artesãos de couro, com os quais São Paulo deve ter trabalhado. Na comunidade havia várias classes sociais, a maioria era gente pobre, sobretudo escravos. Por isso, a comunidade era predisposta à divisão, sobretudo pela diversidade cultural e econômica, o que causava muita competição.

   Qual a finalidade da Carta?
   Trata de problemas vividos pela comunidade, informações e decisões cruciais para o cristianismo primitivo, tanto em sua vida interior (pureza dos costumes, matrimônio e virgindade, ordem das assembléias e celebração eucarística, uso dos carismas), como também o relacionamento com o mundo pagão (apelo aos tribunais, carnes oferecidas aos ídolos, etc.). Lembra em que consiste a verdadeira liberdade da vida cristã, a santificação do corpo, a diversidade dos carismas, o primado da Caridade (que é o sustentáculo da comunidade) e a união à CRISTO.



c) 2 Coríntios:-
   


   Onde foi escrita a Segunda Carta aos Coríntios?
   Em Éfeso, por volta do ano 55.



   Qual a finalidade da Carta?
   São Paulo defende o seu apostolado, diante daqueles que queriam afastá-lo da comunidade, alegando que ele não era apóstolo e, portanto, que sua mensagem não merecia a consideração dos coríntios. Poe essa razão, São Paulo descreve a grandeza do ministério apostólico e também discorre sobre o tema concreto da coleta para a Igreja de Jerusalém, inspirado pelo ideal de união entre as igrejas.



d) Gálatas:-
   


   Quando São Paulo esteve na Galácia?
   São Paulo esteve na Galácia em sua primeira viagem missionária (por volta dos anos 46 a 48), na segunda viagem, na primavera do ano 52 e talvez outras duas vezes.



   Onde foi escrita a Carta aos Gálatas?
   Em Éfeso ou na Macedônia entre os anos 54 e 55.



   Como era a comunidade?
   A Galácia era uma região da Ásia Menor e esta comunidade auxiliou São Paulo quando estava enfermo. Por isso, São Paulo tinha pelos Gálatas um grande afeto, se sentindo o pai e a mãe daquela comunidade. Mas, correntes judaizantes quiseram ridicularizar e se posicionar contra a pregação de São Paulo também na comunidade da Galácia.



   Qual a finalidade da Carta?
   Gálatas representa um grito por parte de São Paulo, no qual a apologia pessoal se justapõe à argumentação doutrinal a às advertências que ela faz à comunidade. São Paulo demonstra indignação e defende seu apostolado. É uma argumentação vibrante em Prol da liberdade Cristã e a universalidade da Igreja. A Carta aos Gálatas é muitas vezes citada na Carta aos Romanos.



e) Filipenses:-
   
   Quando São Paulo esteve em Filipos?
   São Paulo chega a Filipos durante a sua segunda viagem, entre os anos de 48 e 49 e lá retorna duas vezes na sua terceira viagem. Ao chegar à cidade, ele não vai à sinagoga, como era o seu costume, mas fala às mulheres que estavam às margens do rio rezando.

   Onde foi escrita a Carta aos Filipenses?
   Quando São Paulo estava preso em Éfeso (anos 55/57) ou em Roma (anos 61/62).



   Como era a comunidade?
   Filipos era um importante centro comercial entre o Oriente e o Ocidente, até ser conquistada por Roma em 42 AC. Uma cidade onde viviam muitos oficiais romanos, de religiões derivadas dos cultos egípcios (como  a deusa Ísis) e dos cultos romanos (deuses Júpiter, Mercúrio, Minerva e Diana). A comunidade é fundada na casa de Lídia, que ao escutar a pregação de São Paulo convida-o e aos seus companheiros a se hospedarem na casa dela, se eles a consideram digna da mensagem que acabaram de anunciar.

   Qual a finalidade da Carta?
   A comunidade de Filipos é considerada a comunidade amada por São Paulo, é a única comunidade da qual ele aceita receber algum auxílio também material. Por isso, ele escreve para agradecer a ajuda enviada pela comunidade enquanto ele estava preso. Aproveita para advertir contra algumas situações de competição existentes na comunidade e previne contra pregadores judaizantes ao relembrar que a autenticidade do Evangelho vivido e anunciado pelos cristãos está na Cruz de CRISTO.



f) 1 Tessalonicenses:-

   Quando São Paulo esteve em Tessalônica?
   A Tessalônica foi evangelizada na segunda viagem de São Paulo, do outono do ano de 49 à primavera do ano de 50. de lá, ele saiu fugido para Atenas e Corinto. O Apóstolo deve também ter retornado a esta comunidade no verão do ano de 54 e na primavera do ano de 55, após os dissabores de Corinto e Éfeso.



   Onde foi escrita a Carta aos Tessalonicenses?
   Em Corinto, durante o verão do ano de 51.



   Como era a comunidade?
   Tessalônica era um importantíssimo ponto comercial, pois além de estar na rota da Via Ignatia (Via Inácia), tinha um ótimo porto aberto para o Mar Egeu. Supõe-se que os membros da comunidade fossem todos provenientes de escravos e da classe de pequenos comerciantes, que mal tinham com o que viver. O próprio ambiente de trabalho freqüentado por São Paulo pode ter sido tão pobre quanto o do trabalho escravo. Do ponto de vista da religião, havia as divindades romanas e locais.



   Qual a finalidade da Carta?
   Dar instruções sobre a Parusia (a volta de Nosso Senhor JESUS CRISTO) e enviar boas noticias aos tessalonicenses. É considerada uma carta escatológica, onde São Paulo adverte à comunidade a ter calma em relação a Parusia e ao mesmo tempo ser vigilante. Nesta etapa primitiva do seu apostolado, São Paulo encontra-se todo concentrado na Ressurreição de Nosso Senhor JESUS CRISTO e na sua vinda na glória, que trará a Salvação aos que tiverem acreditado Nele.
   A Primeira Carta aos Tessalonicenses deixa entrever que a comunidade de Tessalônica era uma igreja jovem e fervorosa, firme no meio dos sofrimentos. Ela nos diz algo sobre a crença dos cristãos uns vinte anos após a Ascensão do Senhor:- A Trindade, DEUS como Pai, a missão de JESUS Messias, Sua Morte, ressurreição e futuro retorno e as três virtudes (Fé, Esperança e Caridade).



g) Filemon:-

   Quem era Filemon?
   Filemon era um cristão de Colossos, de boa reputação, provavelmente convertido por São Paulo e que tinha um escravo fugido:- Onésimo, cujo nome significa “honestíssimo”.



   Onde foi escrita a Carta a Filemon?
   Na prisão em Roma entre os anos de 61 e 63.



   Qual a finalidade da Carta?
   Expressa o dilema entre o Evangelho levado às últimas conseqüências, de não se tornar somente uma lei, nem insensível aos dilemas humanos. São Paulo acredita que o Evangelho pode mudar as relações entre as pessoas, por isso, escreve a Filemon para aceitar novamente Onésimo, que ele havia encontrado na prisão e que, provavelmente havia pedido a intervenção do Apóstolo para que fosse perdoado pelo patrão. São Paulo então, pede a Filemon que aceite Onésimo não mais como escravo, mas como irmão em JESUS CRISTO.  


2º) Cartas Deutero-Paulinas:- Os erros combatidos são posteriores a São Paulo e pertencem mais às idéias gnósticas do século II.



a) Colossenses:-
   
   Quando São Paulo esteve em Colossos?
   A comunidade de Colossos foi fundada por volta do ano 53, por um nativo que São Paulo havia batizado e evangelizado em Éfeso.



   Onde foi escrita a Carta aos Colossos?
   Na prisão em Roma entre os anos de 61 e 63.



   Como era a comunidade?
   Composta da miscigenação de cultos misteriosos com ritos e veneração à divindades gregas, assim era, com relação a religião, o povo de Colossos. A comunidade cristã de Colossos durou apenas sete anos, pois no ano 60, antes da morte de São Paulo, a cidade de Colossos foi atingida por um grande terremoto e desapareceu.



   Qual a finalidade da Carta?
   Carta Cristológica. O principal problema da comunidade foi um erro de interpretação causado pelo sincretismo religioso. Procuravam experiências exóticas e fortes e a presença de vários mestres. O autor desenvolve a centralidade de JESUS CRISTO, cabeça da Igreja. Ele incorpora pessoas à Sua morte e ressurreição.



b) Efésios:-

   Quando São Paulo esteve em Éfeso?
   Depois de passar pelas comunidades da Galácia, chegou a Éfeso no ano de 52. foi preso no verão de 54 e retornou em 55.



   Onde foi escrita a Carta aos Efésios?
   Na prisão em Roma entre os anos de 61 e 63.



   Como era a comunidade?
   A comunidade situava-se numa cidade portuária, com muitos edifícios, entre os quais se destacava o templo da deusa grega Ártemis. A comunidade de Éfeso já existia antes da chegada de São Paulo. Era uma florescente comunidade cristã de pagãos convertidos.



   Qual a finalidade da Carta?
   Carta Cristológica. DEUS revela Seu plano por JESUS CRISTO, desenvolvido na Igreja, que é o povo de DEUS e esposa do Messias e já não espera a Parusia, mas se empenha no constante crescimento.



c) 2 Tessalonicenses:-

   Onde foi escrita a Segunda Carta aos Tessalonicenses?
   Em Corinto. Como a Segunda Carta aos Tessalonicenses foi escrita alguns meses depois da primeira, provavelmente foi escrita durante o outono do ano de 51, ou o inverno de 51/52.

   Qual a finalidade da Carta?
   Esta carta apresenta, juntamente com outras exortações práticas, novas instruções sobre a data da Parusia e os sinais que a devem preceder. A Segunda Carta aos Tessalonicenses contém notáveis semelhanças literárias com a primeira, a tal ponto que certos críticos a tomaram como obra de um falsário, que teria se inspirado em São Paulo, imitando o seu estilo, daí ser inclusa entre as Deutero-Paulinas. Mas não há meio de se descobrir qual teria sido o motivo de tal falsificação e é mais simples pensar que o próprio Apóstolo, querendo precisar e ajustar seu ensinamento escatológico, teria escrito esta segunda carta, retomando expressões da primeira. Dentre as cartas Deutero-Paulinas, esta é aquela cuja autenticidade é mais bem aceita, pois os dois escritos (Primeira e Segunda Carta aos Tessalonicenses) não se contradizem, mas, pelo contrário, se completam. A sua autenticidade é igualmente bem atestada pela tradição da Igreja.


3º) Cartas Trito-Paulinas:-





a) 1 e 2 Timóteo e Tito:-




   Quem eram Timóteo e Tito?
   Eram os dois mais fiéis discípulos de São Paulo. Timóteo era filho de uma mulher judia e de um pai grego que abraçaram a Fé em Nosso Senhor JESUS CRISTO (confiram Atos 16,1) e que deu um belo testemunho de fé perante várias testemunhas (confiram 1 Timóteo 6,12). Tito era um cristão de origem pagã, talvez convertido por São Paulo; que o acompanhou em sua segunda viagem a Jerusalém (confiram Gálatas 2,1). Foi encarregado por São Paulo de ira Corinto para apaziguar a situação e consegui-o plenamente (confiram 2 Coríntios 7,5-7). Depois o Apóstolo o reenviaria a esta cidade para organizar a coleta em favor da Igreja de Jerusalém. Nos anos de 63 e 64 estava em Creta, à frente das comunidades que São Paulo tinha fundado nessa ilha ao sair do primeiro cativeiro romano. Por ocasião do segundo cativeiro em Roma, durante os anos de 66 e 67, Tito estava na Dalmácia. Ele foi para São Paulo um excelente colaborador, hábil de caráter firme e bem constituído.



   Onde foram escritas as Cartas a Timóteo e a Tito?
   Duas delas (1 Timóteo e Tito) parecem ter sido escritas quando São Paulo estava na Macedônia. A Segunda Carta a Timóteo foi escrita quando o Apóstolo estava preso em Roma.



   Qual a finalidade destas Cartas?
   O objetivo das cartas a Timóteo e a Tito são dar diretrizes para a organização e direção das comunidades cristãs a eles confiadas por São Paulo. É por isso, que desde o século XVIII, se costuma chama-las de “pastorais”. Longe de supor, como se tem pretendido, uma evolução da hierarquia eclesiástica que seria posterior ao tempo de São Paulo, elas refletem, ao contrário, uma etapa que é perfeitamente verossímil na época do fim de sua vida. O título de “epíscopo” aparece ainda como praticamente sinônimo de “presbítero”, como outrora, segundo a fórmula primitiva das comunidades dirigidas por colégios de anciãos. Não existe ainda vestígio algum do “bispo” monárquico tal como aparecerá com Santo Inácio de Antioquia. No entanto esta evolução está se preparando:- Embora encarregados de diversas comunidades sem estarem ligados a nenhuma em particular, os delegados de São Paulo, que são Timóteo e Tito, representam esta autoridade apostólica que está em vias de se transmitir para suprir o próximo desaparecimento dos Apóstolos e que em breve se fixará em cada comunidade num chefe de colégio presbiteral, que será o bispo. Embora as cartas a Timóteo e a Tito tenham sido classificadas entre as Trito-Paulinas, esta etapa intermediária da organização da Igreja, que elas descrevem e que nenhum falsário tinha interesse em inventar, é um precioso indício de autenticidade. Também se notará que os epíscopos-presbíteros não são apenas administradores do temporal, mas ainda e sobretudo tem o ofício de ensinar e de governar, são realmente os antepassados dos nossos bispos e dos nossos sacerdotes. As insistentes recomendações de conservar a “Sã Doutrina”, de guardar o “Depósito da Fé”, na opinião de certos críticos, seriam indignas de São Paulo (daí serem colocadas entre as cartas Trito-Paulinas), tão audaz e tão original em suas explanações teológicas, mas elas se explicam na boca do próprio Apóstolo que se sente próximo do fim e coloca seus jovens colaboradores de sobreaviso contra as especulações perigosas. Ele constata, nas comunidades, com efeito, um gosto imoderado por inovações que conduzem ao naufrágio da fé. E não se trata de doutrinas gnósticas do século II, que um falsário quereria combater acobertando-se com seu nome. Estas “controvérsias”, estes “vãos problemas”, estas “fábulas e genealogias sem fim”, estas “fábulas judaicas”, estes “debates sobre a Lei”, às quais prescrições de um ascetismo rígido, são, sem dúvida, produtos daquele judaísmo helenizado e sincretista que São Paulo já tivera de enfrentar na crise de Colossos.






b) Hebreus:-

   Quando São Paulo esteve na Judéia?
   São Paulo estava em Jerusalém quando da execução e martírio de Santo Estevão, no ano de 34. Depois de sua conversão, por volta do ano 36, volta a Jerusalém para visitar os apóstolos. Por volta do ano de 48, São Paulo e São Barnabé vão à Judéia para o Concílio de Jerusalém, que isentou os cristãos vindos do paganismo da obrigação da circuncisão e também para levar o auxílio da comunidade de Antioquia à de Jerusalém. Por volta do ano de 58, São Paulo volta à Judéia, onde será preso na Cesárea e aguardará até o não 60 para ser enviado a Roma, para ser julgado pelo imperador romano.



   Onde foi escrita a Carta aos Hebreus?
   O lugar e a data da composição da Carta aos Hebreus não são certos. Parece que o autor está na Itália, talvez no ano de 67.



   Como era a comunidade?
   Era a primeira comunidade da Igreja, formada pelos cristãos vindos do judaísmo.



   Qual a finalidade da Carta?
   Dentre todas as cartas paulinas, principalmente as Trito-Paulinas, a Carta aos Hebreus é aquela cuja autenticidade é mais contestada pelos exegetas! Esta carta teve a sua autenticidade posta em dúvida desde a antiguidade. Raramente se contestou a sua canonicidade, mas a Igreja do Ocidente, até o século IV, se recusou a atribuí-la a São Paulo; e se a Igreja do Oriente aceitou esta atribuição, não foi sem fazer às vezes certas reservas no tocante à sua forma literária (Clemente de Alexandria e Orígenes). É que, com efeito, a linguagem e o estilo desde escrito são de uma pureza elegante, que não pertencem a São Paulo. A maneira de citar e de utilizar o Antigo Testamento não é a sua. Faltam aí o endereço e o preâmbulo, com os quais ele costuma iniciar as suas cartas. Quanto à doutrina, se ela possui ressonâncias incontestavelmente paulinas, apresenta, por outro lado, bastante originalidade para que dificilmente lhe possa ser atribuída a autenticidade de maneira imediata. De fato, muitos críticos católicos e não-católicos concordam em reconhecer que São Paulo não poderia ser o autor desta carta do mesmo modo que as outras, embora sua influência se tenha exercido sobre ela, por inspiração indireta ou mesmo direta, de modo suficiente para legitimar sua tradicional incorporação à coleção das cartas paulinas. Mas o acordo cessa quando se trata de identificar o autor anônimo. Nomes de toda a espécie foram propostos, tais como Barnabé, Silas, Aristião e outros. O que mais merece reter a atenção é sem dúvida Apolo, aquele judeu alexandrino elogiado por São Lucas Evangelista por sua eloqüência, zelo apostólico e conhecimento das Escrituras. Essas qualidades, realmente, se refletem de modo notável na Carta aos Hebreus, com sua linguagem e seus pensamentos provenientes da cultura Alexandrina (filoniana), sua apologética de belo vigor oratório, sua argumentação, enfim, fundada inteiramente sobre a interpretação do Antigo Testamento.
   O objetivo desta Carta é animar os cristãos vindos do judaísmo. Estes judeus depois de ser converterem ao cristianismo, devido às perseguições, tiveram que deixar a Terra Santa e este exílio lhes foi pesado. Com muita nostalgia se recordavam dos esplendores do culto levitico, do qual eles eram outrora ministros; e desiludidos com a sua nova fé ainda um pouco firme e mal esclarecida, confundidos também pelas perseguições que ela lhes causa, são tentados a voltar atrás. É para precavê-los contra tal apostasia que se destina a Carta aos Hebreus. Ela responde ao seu desânimo de exilados, oferecendo magníficas perspectivas sobre a vida cristã, concebida como uma peregrinação, uma entrada para o repouso prometido, uma caminhada para a Pátria Celestial, tendo o CRISTO como guia, superior a Moisés, tendo como luz aquela fé-esperança que já havia guiado os patriarcas de sua raça, os judeus do Êxodo e todos os santos do Antigo Testamento. À sua nostalgia do antigo sacerdócio e do culto levítico, ela contrapõe a pessoa de JESUS CRISTO Sacerdote segundo a ordem de Melquisedec, superior a Aarão e seu sacrifício oferecido uma só vez, único sacrifício válido, que substitui todas as oferendas ineficazes da antiga Aliança. E fundamentando tudo isso, ela prova a dignidade soberana deste Chefe e deste Sacerdote:- JESUS CRISTO, o Filho de DEUS Encarnado, Rei do Universo e superior mesmo aos Anjos.



   Quem gostar deste estudo bíblico sobre as Cartas Paulinas, por favor, alem de Curtir, compartilhe e/ou retuite!!!